Ir para conteúdo

Citroën C4 Cactus chega para espetar rivais, mas seu caminho é árido

cactus2

No início deste século, a Citroën teve amplo domínio no Mundial de Rali (WRC). Entre 2000 e 2012, carros da marca e de sua irmã Peugeot (ambas formam a PSA) venceram 11 de 13 mundiais de construtores, numa categoria em que o trabalho de suspensão e tração ajuda a definir os campeões. A dupla francesa, porém, não aproveitou essa supremacia para ingressar com força no então promissor segmento de SUVs. E tinha em mãos, à época, a possibilidade de usar o piloto megacampeão Sébastien Loeb como garoto-propaganda. Perdeu o melhor bonde da história recente da indústria automobilística.

Não se pode culpar a atual e saneadora administração da PSA (global e brasileira) pelos erros do passado. Mas isso não impede que a tarefa do recém-lançado Citroën C4 Cactus no mercado nacional seja das mais espinhosas. Ele chega com atraso ao efervescente segmento de SUVs compactos, onde tradição, rede focada e imagem de marca fazem toda a diferença.

cactus3

As maiores vantagens competitivas do Citroën C4 Cactus em relação aos SUVs mais vendidos são o fator novidade e o preço atrativo, de R$ 80 mil para a versão que interessa (1.6 automática, de 122 cv). O desenho pouco discreto tem um apelo bem jovial, mas certamente dividirá opiniões. O maior desafio será a renovada (e inexperiente) rede de revendas, e também a imagem da marca, arranhada por uma década em que sua fatia no mercado nacional despencou de 2,6% para 0,8%. Nunca a Citroën do Brasil precisou tanto de um blockbuster como agora.

A ANÁLISE COMPLETA DO LANÇAMENTO ESTÁ NA COLUNA DA SEMANA EM IG CARROS. É SÓ CLICAR AQUI!

Categorias

Blog

Tags

, , , ,

Glauco Lucena Ver tudo

Paulistano, nascido em 1967, é jornalista, com formação em Ciências Sociais e MBA em Gestão de Negócios. Desde 1990 atua no setor automotivo. Trabalhou por 24 anos em redações de jornais, revistas e sites, entre eles Autoesporte (Editora Globo), Jornal do Carro (Estadão) e Carsale (UOL).

Recentemente, dentro do Grupo FCA, foi um dos responsáveis pela comunicação da Jeep durante os 3 anos do processo de relançamento da marca no Brasil. Hoje, atua como colunista, consultor, gerador de conteúdo e influenciador digital na área automotiva.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: